Aprenda a avaliar o Retorno sobre o Investimento Social da sua empresa.

Ferramenta muito utilizada no meio corporativo, o ROI é o retorno sobre o investimento (Return on Investment, em inglês). Um resultado que representa a relação entre a quantidade de dinheiro ganho e a quantidade de dinheiro empenhado em um investimento. A novidade é que agora as empresas já podem calcular, também, o retorno sobre investimentos em ações e projetos socioambientais, com o chamado ROI de Sustentabilidade.

Um dos pioneiros nesse conceito no Brasil, o Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas (FGVces) desenvolveu, já em 2015, estudos de casos com empresas nacionais para determinar o ROI de Sustentabilidade de seus projetos.

Os estudos foram realizados em parceria com redes multinacionais de sustentabilidade (EMSD e EMM coordenadas pela alemã GIZ-GmbH) e percebeu-se que, entre outras vantagens:

  • Projetos de sustentabilidade podem trazer ganhos financeiros quantificáveis;
  • A mensuração do ROI de Sustentabilidade auxilia na tomada de decisões;
  • O bom desempenho socioambiental pode traduzir-se em menores riscos;
  • A implementação de estratégias de sustentabilidade pode facilitar o acesso a linhas de crédito com juros diferenciados.

Quer saber mais sobre as conclusões do FGVces e aprender a analisar o ROI de Sustentabilidade da sua empresa? Confira:

O ROI de Sustentabilidade de empresas brasileiras

Na primeira fase da iniciativa ROI de Sustentabilidade, em 2015, o FGVces e seus parceiros analisaram 11 projetos de sustentabilidade de 7 empresas brasileiras, entre elas: o Grupo Boticário, a Siemens, a Adidas Brasil e a Votorantim Cimentos.

No caso do Grupo Boticário, por exemplo, foram estudados dois projetos de sustentabilidade ambiental, um de ecoeficiência para redução do consumo de água, energia e gás em fábricas e edifícios da marca e outro projeto nacional de reciclagem de embalagens. Após análise do ROI de Sustentabilidade, ambos foram considerados projetos lucrativos, com benefícios de redução de custos, redução de riscos e, inclusive, geração de vendas espontâneas.

Outro bom exemplo foi o projeto Escola Formare, apoiado pela Siemens, para a capacitação de jovens de baixa renda, utilizando colaboradores como educadores voluntários. O estudo do ROI do projeto levou em conta o que a multinacional desembolsou, inclusive o tempo dos funcionários voluntários (contabilizando o que deixou de gastar e o que perdeu com isso). Financeiramente, a iniciativa também mostrou-se lucrativa.

Vantagens competitivas de adotar ações de sustentabilidade

De acordo com o FGVces, a inclusão de ações sustentáveis no cotidiano operacional de uma empresa pode gerar diversas vantagens competitivas, como:

  • Redução de custos de produção – obtida a partir de ações como a substituição de fontes energéticas, melhoria de processos, ecoeficiência, etc.;
  • Redução de custos em pontos comerciais – devido ao menor consumo de energia, melhor design, redução de resíduos, etc.;
  • Aumento da produtividade de colaboradores – proveniente da melhoria das condições de trabalho e da identificação individual com os princípios da empresa, fortalecendo o espírito de equipe;
  • Aumento de receitas – resultado do desenvolvimento de produtos com menor impacto ambiental, da atração, retenção e fidelização de consumidores conscientes, além de novas oportunidades de negócios.

Etapas para gestão de projetos e cálculo do ROI de Sustentabilidade

Como o FGVces constatou que essas vantagens competitivas são resultados da adoção de ações e projetos de sustentabilidade? Analisando detalhadamente cada ação e projeto sustentável.

Uma avaliação que é recomendável realizar em etapas, desde o início da implementação das ações e projetos, para estimar tanto os custos evitados como as receitas do investimento.

Ainda de acordo com o Centro de Estudos em Sustentabilidade, um projeto compreende as seguintes etapas a serem analisadas:

  • Definição do objetivo do projeto;
  • Definição dos requisitos do projeto;
  • Desenvolvimento do cronograma;
  • Execução da análise financeira;
  • Definição de um plano de monitoramento do desempenho;
  • Estabelecimento de procedimentos de gestão de riscos.

Como fazer a análise financeira de ações/projetos de sustentabilidade?

Após a primeira fase da iniciativa ocorrida em 2015, o FGVces utilizou sua experiência com os estudos de caso realizados para desenvolver um Guia de implementação do ROI de Sustentabilidade.

Lançado este ano, o manual traz exemplos e explicações detalhadas de cada etapa de análise dos projetos de sustentabilidade para que qualquer empresa interessada possa avaliar o retorno de seus investimentos socioambientais.

A pesquisadora do FGVces Camila Yamahaki comenta: “[O guia] tenta tangibilizar ao máximo para monetizar os benefícios e explica quais os possíveis métodos de análise financeira para calcular o ROI do projeto [para a empresa].”

As empresas que já tiveram experiência de aplicação do ROI de Sustentabilidade relatam, ainda, que a análise é positiva em diversos sentidos, pois:

  • aproxima as áreas financeiras e de sustentabilidade da empresa;
  • apresenta a demonstração financeira com ganhos mensuráveis das iniciativas, permitindo a transparência com todos os públicos;
  • fortalece a credibilidade interna da área de sustentabilidade e estimula um espírito inovador nesse setor, entre outros benefícios.

 

Fonte: O Seu Dinheiro Vale Mais

 

O Consórcio do Sicoob Credpit tem sempre um plano que cabe direitinho no seu orçamento. Com ele, você pode programar a compra de sua casa, do carro novo, uma festa ou viagem, em condições especiais e com segurança.
Ainda dá tempo de você aproveitar nossas taxas superespeciais para este mês!

Blog Sicoob Credpit

Postado por Blog Sicoob Credpit

Este blog é um canal de comunicação oficial do Sicoob Credpit - www.sicoobcredpit.com.br