Muito além da queima de sutiãs; conheça os movimentos que deram origem à data.

Figura1

Ao pensar na história do Dia Internacional da Mulher, há quem lembre, apenas, do episódio conhecido como A Queima dos Sutiãs (Bra-Burning). Mas, na verdade, esse evento de protesto, ocorrido em 1968, em Atlantic City, teve uma origem muito anterior.

E é bom esclarecer que, nessa ocasião, as cerca de 400 ativistas livraram-se de itens como saltos, cílios postiços, maquiagens, espartilhos, etc., mas não chegaram a atear fogo em nada.

Um verdadeiro incêndio ocorreu muitos anos antes disso, em 1911, em uma fábrica têxtil de Nova York, quando cerca de 130 operárias morreram. E muitos ainda atribuem a origem do Dia Internacional da Mulher a essa ocorrência.

Contudo, os eventos que levaram à criação da data são anteriores ainda a esse acontecimento. Confira, então, a verdadeira história do Dia Internacional da Mulher:

O contexto que deu origem aos primeiros movimentos

Durante a Revolução Industrial, a mão-de-obra feminina teve papel fundamental. A partir daí, consolidou-se a participação da mulher no mercado de trabalho.

Porém, se por um lado, a Revolução Industrial introduziu avanços e melhorias – tendo em conta que o sistema fabril ofereceu maiores chances de sustento para mulheres e jovens –, por outro lado, as condições de trabalho eram impiedosas, com jornadas prolongadas e salários medíocres.

Desde os fins do século XIX começaram a formar-se, então, tanto na Europa quanto nos Estados Unidos, organizações femininas oriundas de movimentos operários, reivindicando melhores condições de trabalho para mulheres e jovens.

O primeiro Dia da Mulher, nos EUA, e a inspiração para o mundo

Foi em 1908 que aconteceu o primeiro Dia Nacional da Mulher, nos EUA, marcado por uma manifestação feminina em prol da igualdade econômica e política no país.

No ano seguinte, 1909, o Partido Socialista dos EUA oficializou a data como sendo 28 de fevereiro e organizou um protesto com mais de 3.000 pessoas no centro de Nova York, resultando em uma longa greve têxtil, responsável pelo fechamento de quase 500 fábricas norte-americanas.

Já em 1910, ocorreu, na Dinamarca, a II Conferência Internacional de Mulheres Trabalhadoras. Oportunidade em que se propôs a definição de uma data anual para celebrar internacionalmente os direitos da mulher, com objetivo de honrar as lutas femininas e obter apoio para instituir o sufrágio universal em diversas nações.

A proposta foi apoiada por 17 países participantes da Conferência e, já no ano seguinte, 1911, Dinamarca, Áustria, Alemanha e Suíça celebraram pela primeira vez o Dia Internacional da Mulher.

As Guerras Mundiais e os protestos aos conflitos

A partir da eclosão da I Guerra Mundial, as celebrações do Dia da Mulher começaram a ser vistas, no entanto, como oportunidades de protestar contra os conflitos armados em andamento.

Exemplo disso foi a manifestação que ficou conhecida como “Pão e Paz”, ocorrida na Rússia, no dia 8 de março de 1917, em que as mulheres russas, lideradas pela feminista Alexandra Kollontai, tomaram as ruas para chamar a atenção para as mortes dos soldados russos e para a desumana condição de vida da população. Quatro dias depois, o czar abdicou e o governo provisório concedeu às mulheres o direito de voto.

Durante a II Guerra Mundial, os protestos femininos continuaram tendo esse caráter político e humanitário, como mecanismos de oposição ao conflito, sendo o dia 8 de março usado, principalmente pelas mulheres das nações aliadas, para protestar contra os países do Eixo.

De qualquer forma, os levantes femininos nesse período demonstraram a força de mobilização das mulheres e suas pretensões em participar de sociedades mais justas e igualitárias, com melhores condições para todos e para todas.

O reconhecimento pela ONU

Somente no fim da II Guerra Mundial, em 1945, a Organização das Nações Unidas (ONU) assinou o primeiro acordo internacional que estabelecia princípios de igualdade entre homens e mulheres.

Já na década de 60, o movimento feminista ganhou força e, em 1975, comemorou-se, então, o Ano Internacional da Mulher. Conjuntura que levou, finalmente, a ONU, a partir de 1977, a reconhecer o dia 8 de março, oficialmente, como o Dia Internacional da Mulher.

Como tudo aconteceu no Brasil

As primeiras movimentações em prol dos direitos das mulheres começaram a ocorrer no Brasil, no início do século XX, com grupos anarquistas que lutavam por melhores condições de trabalho e qualidade de vida.

Já nas décadas de 1920 e 1930, a luta feminina ganhou corpo com o movimento das sufragistas, que conseguiram, enfim, o direito de voto com a Constituição de 1932.

Porém, foi só na década de 70, que temas como a igualdade de gêneros, a sexualidade e a saúde da mulher começaram a ser discutidos pelas organizações nacionais.

Nos anos 80, esse movimento foi reforçado pela criação do Conselho Estadual da Condição Feminina, em São Paulo, e pelo surgimento da primeira Delegacia Especializada da Mulher.

Atualmente, após uma série de lutas e vitórias, as mulheres do Brasil e do mundo seguem buscando superar certas desigualdades remanescentes, sem deixar de celebrar toda essa história de coragem e conquistas que culminou no Dia Internacional da Mulher.

Fonte: O Seu Dinheiro Vale Mais

 

BannerSite_DiadaMulher_1920x716px

Blog Sicoob Credpit

Postado por Blog Sicoob Credpit

Este blog é um canal de comunicação oficial do Sicoob Credpit - www.sicoobcredpit.com.br